Cinco livros que viraram filmes - Parte 1

07:00

Essa semana resolvi fazer um post diferente e então, listei os livros que ganharam versões para o cinema e para minha surpresa (ou não), a lista ficou gigantesca e resolvi dividi-la em algumas partes para não ficar cansativo. Como vocês devem imaginar, a lista praticamente foi tomada pelos livros do Nicholas Sparks, que se não me engano é o autor norte americano, que mais teve adaptações para o cinema.

Nessa primeira parte, falarei um pouco sobre os cinco livros que ganharam as telonas. Se vocês lembrarem de mais alguns ou já tiverem assistido aos que aparecerão aqui, não deixem de me contar o que acharam nos comentário, viu?

Um Dia


O livro foi escrito por David Nicholls e narra a amizade com ares de romance, de Emma e Dexter. Ao longo do romance e do filme, a gente acompanha o desenrolar da amizade até virar namoro e consequentemente, casamento.  O filme trás no elenco Anne Hathway e Jim Sturgess como protagonistas.

Confesso, que morri de raiva do filme e acabei enrolando pra ler o livro, por causa do desfecho. Não admito muito, eles passaram 20 anos, para chegarem ao auge da paixão e aí a história mudar de rumo, mas mesmo assim, acho a história linda e cheia de aprendizados. Quem nunca viveu um amor com um quê de platônico, pelo seu (sua) melhor amigo (a)?

O código da Vinci 


                           
Tanto o livro quanto o filme, deixaram uma pontinha de dúvida no inconsciente das pessoas, sobre religião, ciências, artes e mais ainda sobre Leonardo da Vinci e outros intelectuais de sua época.  Impossível, não se prender e render aos encantos do professor Robert Lagdon e claro, não se surpreender a cada descoberta feita por ele e Sophie. Tom Hanks ficou perfeito no papel do professor e provou mais uma vez o quanto é talentoso.

O interessante é que Dan Brown consegue prender a gente no livro e só faz aumentar mais ainda a vontade de "quero mais". A prova do quanto o professor Lagdon e suas aventuras agradaram é que além de o Código da Vinci, há mais três livros narrando as descobertas de Lagdon por algum mito ligado a ciência ou religião.

A garota da capa vermelha



De uns anos pra cá, as releituras dos famosos contos de fada, tem ficado bem populares e agradado bastante, né? Um dos primeiros a ganhar uma versão reformulada, foi a história de "Chapeuzinho Vermelho", que na nova versão adaptada por Sarah Blakley, foi nomeada de " A garota da capa vermelha".

Na história , Valerie passa a se interessar pela história da lendária criatura que assombra sua aldeia há séculos, após sua irmã ser encontrada morta no campo de trigo. Só que a garota não sabe que o mistério está mais próximo dela e de sua família do que ela poderia imaginar e ao longo do livro e do filme, a gente acompanha as tentativas dela e dos outros aldeões de tentar descobrir quem poderia ser o lobo.

Confesso, que a Amanda Seyfried não é minha atriz favorita e que apesar de curtir boa parte dos filmes que ela faz, ainda não simpatizo muito com a cara dela, mas, confesso que em "A garota da capa vermelha", ela esteve muito bem, principalmente nas cenas de amor com o gato do Peter.


Os delírios de consumo de Becky Bloom 



Sabe aquele tipo de história que te prende, te faz ter cólicas de tanto ri e ainda te faz querer repeti a dose mil e uma vezes? Pois, bem... Sophie Kinsella faz isso com a gente em seu livro e também no filme homônimo. A história de Becky Bloom é leve, divertida e a cara de 80% , se não 99% das mulheres pelo mundo, afinal, quem nunca enlouqueceu com uma liquidação, estourou o limite do cartão de crédito sem perceber ou até não já comprou dois pares de sapatos iguais, só que em cores diferentes?

Adoro o filme e sempre que tô de bobeira, ponho ele para dar algumas risadinhas com Becky. Também aproveito para ver um espelho do que não quero fazer na minha vida. Amo comprar e depois que assisti a esse filme, passei a me vigiar mais e tentar controlar as loucuras consumistas. Outra coisa legal é que ao ver o filme, passei a me interessar pelos outros livros da Sophie Kinsella e amei as outras publicações.


A menina que roubava livros 



Em "A menina que roubava livros", fomos apresentados a uma história totalmente encantadora e cheia de lições de vida. Liesel Meminger e sua habilidade em driblar a morte, faz desse livro e do filme, duas obras excelentes e de prender a atenção do início ao fim.

Esse foi um dos primeiros romances com enredo centrado durante uma das grandes guerras que eu li e confesso, que de cara se tornou o meu preferido, não só por se passar na Segunda Guerra Mundial (um dos momentos históricos que mais gosto de pesquisar), mas por narrar a vida de alguém que tinha tudo para não vencer e ser só mais uma criança no meio da multidão, mas lá se foi Liesel, lutar pelo que queria, fazer amigos e ter uma vida boa e cheia de histórias.

O final é emocionante e tenho quase certeza que o Markus Zusak (autor do livro), teve a avó como inspiração para a personagem principal, já que ele a cita na sua biografia, no final do livro.

Por hoje é isso. Espero que vocês tenham gostado dos cinco livros que apareceram por aqui hoje. Não esqueçam de contar nos comentários quais livros que ganharam adaptações cinematográficas que vocês mais gostaram, tá bem?

Beijos!! 


Post Relacionados

0 comentários